Global G


O certificado Global G, desenvolvido pela Ecolog Consultoria Integrada em parceria com a ANCP, tem como objetivo identificar as fazendas associadas que apresentam um diferencial na qualidade dos dados, aplicam de forma eficiente as técnicas de melhoramento genético animal e contribuem com o meio-ambiente. Existem três tipos de certificação:



G1 - Qualidade da Informação: está relacionada à qualidade dos dados coletados na fazenda e treinamento da equipe envolvida nos processos, essencial para uma avaliação genética confiável. É aplicado em fazendas que já receberam visita de implantação e ATA (Acompanhamento Técnico Anual), exclusivamente por um consultor ANCP. A recertificação é anual, realizada após nova visita do consultor.

G2 - Melhoramento Genético: certifica fazendas que utilizam efetivamente as ferramentas de melhoramento genético na seleção do rebanho, contribuindo para a evolução genética da raça. Para receber a certificação, o criador deverá ser participante do programa há pelo menos 4 anos, estar certificado no G1 – Qualidade da Informação, ter evolução genética em relação a média do próprio rebanho para características economicamente importantes. A recertificação é a cada três anos.

As características consideradas para certificação por raça são:

» Nelore e Guzerá: Habilidade Materna aos 120 dias (MP120) e Perímetro Escrotal aos 365 dias (PE365).

» Brahman: Peso aos 120 dias e Perímetro Escrotal aos 365 dias (PE365).

» Tabapuã: Habilidade Materna aos 120 dias (MP120) e Peso aos 450 dias.

G3 - Sustentabilidade Genética: Desenvolvido pela Ecolog em parceria com a ANCP, o Protocolo Global G3 foi criado com o objetivo de demonstrar os efeitos ambientais positivos do uso de animais melhoradores e o levantamento das áreas de Reserva Legal e Matas Ciliares das fazendas associadas ANCP, sendo o primeiro selo aplicado à pecuária de corte brasileira, que estima a contribuição ambiental do uso adequado do melhoramento genético, e destaca os benefícios ambientais que a genética proporciona para a pecuária de gado de corte, promovendo o marketing positivo dessa atividade.

Assim, pela análise dos dados obtidos é possível quantificar a contribuição potencial dos reprodutores melhoradores na redução das emissões de gases de efeito estufa (GEE1), através diminuição do ciclo de produção de animais de corte na pecuária extensiva nacional, e o estoque potencial de carbono em áreas de matas nativas e/ou comerciais dentro das propriedades.

Para receber a certificação G3 a fazenda não precisa ser certificada no G1 ou G2, basta preencher corretamente a planilha enviada pelo consultor. A recertificação é anual.